quarta-feira, 6 de maio de 2009

Capão do Bispo


Crédito: http://www.globoonliners.com.br

Capão do Bispo é uma das mais antigas propriedades rurais do Estado do Rio de Janeiro e sua casa, sede da fazenda, é o que sobrou da sesmaria doada por Estácio de Sá aos Jesuítas e a concessão, confirmada pela Corte de Lisboa em 10 de julho de 1565. Abrangia as freguesias de Inhaúma, Engenho Velho, Engenho Novo e São Cristóvão.

Com uma área de duas léguas de testada e duas de fundo (13.200 m X 13.200 m) começava no Vale do Catumbi, junto ao Rio dos Coqueiros, antigamente chamado Iguassu e hoje Rio Comprido, servia como divisa natural desde a nascente até desaguar no mangue da Cidade Nova, seguindo pelo litoral, atravessando a bica dos Marinheiro, São Cristóvão e Benfica até a Tapera de Inhaúma, rumo noroeste para o sertão, rumo sudoeste nas áreas férteis e saudáveis dos terrenos do Engenho Velho, Andaraí e Engenho Novo entre outros.

Em 1684 o Padre Custódio Coelho era o responsável pela freguesia de Inhaúma, que a passou para o Vigário Geral Clemente Martins de Mattos. A área era limitada pelos morros do Pedregulho e do Telégrafo ao sul. Pela Serra da Misericórdia e litoral do canal de Benfica, os atuais bairros do Engenho Novo, Méier e Inhaúma, ao norte.


A fazenda ficava na planície suburbana com diversos vales ligeiramente acidentados por baixas colinas, próximos ao Rio Jacaré, Faria e Timbó, foi confiscada dos Jesuítas em 1759 e passaram à Coroa e leiloada a partir de 1761, quando um dos compradores foi o Bispo D. José Joaquim Justiniano Mascarenhas de Castelo Branco, onde ergueu a casa grande da fazenda num capão (porção de mato isolado no meio do campo) sobre um outeiro de 20 m de altura. Depois uniu-se a fazenda de Sant’ana, um engenho que pertencera a Brás de Pina , segundo Pizarro.

O Bispo morreu em 28 de janeiro de 1805 quando a propriedade passou ao seu sobrinho Jacinto Mascarenhas Furtado de Mendonça. De 1862 a 1868 a casa grande foi aforada por escritura a Joaquim José Palhares Malafaia e a Domingos José de Abreu. Em 1914 vendida a Francisca Carolina de Mendonça Ziéze e depois a Joaquim Alves Maurício de Oliveira, dono até 1929, passando à Clara Ziéze de Oliveira.

Há 18 de setembro de 1937 passou para Simão Daim e em 1947 estava em nome de Jacob Armin Frey. Esses levantamentos foram feitos por Noronha Santos.

Em 30 de agosto de 1947 foi tombada pelo IPHAN, com Florentino M. Guimarães responsável pelo canteiro de obras e coordenando o levantamento arquitetônico. Desapropriada em 1961 passando ao governo do Estado da Guanabara, sendo a emissão de posse dada em 1969. Nas décadas de 50 e 60 foi invadida por 30 famílias que fizeram do patrimônio histórico, uma cabeça-de-porco chegando a estar ameaçada de desabar. (JB, Domingo, 16/01/66- primeiro caderno). Edgard Jacinto da Silva, arquiteto do IPHAN fez um trabalho de restauração na sede que durou dois anos, de 1973 até 1975, custando NCr$ 195.000,00 e instalado um Museu Rural e Centro de Estudos Arqueológicos.

Fonte: http://www.globoonliners.com.br

24 comentários:

  1. é uma maravilha da história Brasileira , eu moro em inhaúma , mas toda vez que passo pela propriedade fico encantado com tamanha beleza e ar de história qe a casa transmite .

    ResponderExcluir
  2. Estive no local e fiquei maravilhado com o conteúdo histórico do espaço, me senti em pleno século XVI, indico a todos um tour guiado pelos heróis da persistência que tgrabalham lá.

    ResponderExcluir
  3. Gostaria de saber como está no momento esse monumento da História do Brasil.Será que os cupins foram extirpados?
    Rodrigues Francisco
    Movimento SOS Capão do Bispo

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. É realmente uma pena, um país como o nosso, jovem, e que não protege seu passado,uma perda para a sociedade. Infelizmente nossos governantes estão mais interessados em construções faraônicas a preservar nossa cultura. Outro exemplo é Paquetá, linda e abandonada, exalando história, a poucos minutos do centro do Rio, lugar tão belo quanto qualquer outro do mundo. Lembrem-se NÃO existe futuro sem o passado...

    ResponderExcluir
  6. Infelizmente está caindo aos pedaços... Lamentável! Quem tiver a curiosidade de visitar o local, verá que até o telhado está desabando.

    ResponderExcluir
  7. Moro no Rio há 2 anos e sempre que passo em frente (que até pouco tempo atrás eu nem sabia que se tratava de um museu) fico maravilhada com a construção e agora muito triste em saber que está se desfazendo, mas mesmo assim ainda pretendo conhecer o local.

    ResponderExcluir
  8. Olá! Gostaria de aproveitar esse espaço para divulgar uma mobilização popular visando chamar atenção das autoridades competentes para a necessidade de conservação desse patrimônio histórico. VAMOS ABRAÇAR A CASA DO CAPÃO DO BISPO. Sábado, 14 de agosto, às 10 horas. Av. Dom Hélder Câmara, 4616, Del Castilho. Obrigada e até lá!

    ResponderExcluir
  9. Olá! A manifestação está mantida, MAS A DATA MUDOU PARA 21 DE AGOSTO, ÀS 10 HORAS! Participe, sua contribuição é muito importante. Obrigada.

    ResponderExcluir
  10. UMAS DAS PAISAGENS QUE MAIS ME CHAMOU ATENÇÃO NOS ULTIMOS TEMPOS, DE LONGE SE VE QUE PRECISA MUITO DE UM CUIDADO TODO ESPECIAL, UMA BELEZA IMENSA EM UM LOCAL TÃO PEQUENO QUE OUTRORA FORA TÃO IMENSO, HOJE CERCADA POR PREDIOS E RUAS A CASA ESTA CAINDO AOS PEDAÇOS, MAS MESMO ASSIM CHAMA ATENÇAO PELO QUE REPRESENTOU PARA O NOSSO RIO DE JANEIRO, UMA HISTÓRIA TÃO LINDA COMO ESSA NAO PODE SE ACABAR COM A GANANCIA DOS HOMENS QUE ESTÃO INVADINDO CADA VEZ MAIS A PROPRIEDADE QUE HOJE NAO PASSA DE UM PEQUENO TERRENO COM UMA CASA MUITO ANTIGA; MAS LINDA E MUITO TRISTE DE SE VER......

    ResponderExcluir
  11. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  12. muito bonita mesmo,pena que as autoridades do estado do rio de janeiro nao estao dando muita importancia para oque ela representou para o estado.uma das maiores fazenda do rio de janeiro esta precisando de uma boa restauraçao.onde era tao grande ,hoje esta em um espaço tao pequeno que muitos nem sabe oque é.

    ResponderExcluir
  13. Pois é, eu nem sabia que essa casa existia.Por acaso, mero acaso, hoje passei pela Av. D. Helder Câmara e a vi. Parei e pus-me a admirá-la, surpreso com o achado histórico.Entristecido pelo aspecto abandonado. História de nossa terra.

    ResponderExcluir
  14. estou maravilhada com a história,aqui relatada,e muito triste,sem uma resposta positiva,sobre as reformas a serem feitas.'capão do bispo"..eu apoio!!

    ResponderExcluir
  15. GOSTARIA DE SABER SE LÁ TEM DIAS PARA VISITA E SE É PAGO? SEMPRE QUE PASSO POR LÁ ME PARECE ABANDONADO.

    ResponderExcluir
  16. Gostaria de saber se a casa está aberta para visitação

    ResponderExcluir
  17. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  18. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  19. No momento o respectivo imóvel está fechado a visitação pública e,em 2005,enviei um ofício para a Secretaria de Cultura do Estado solicitando a respectiva restauração e,em 2015,após uma reunião com a Sra.Olga Campista,assessora da Secretária de Cultura do Estado,fui informado que o projeto de restauração está aprovado e as obras começariam no 2º semestre de 2015.
    Rubens Quintella -Bairro Cachambi
    e.mail : rubensquintellatucker@yahoo.com.br

    ResponderExcluir
  20. Solicito a gentileza das pessoas nos apoiar e enviar e.mail"s para a Secretária de Cultura do Estado solicitando a imediata restauração,tendo em vista que o imóvel encontra-se em péssimo estado de conservação e,também solicitei no ofício que enviei que,depois da respectiva restauração,no local seja implantado um Centro Cultural Popular,com participações das escolas públicas.Muito Obrigado.

    ResponderExcluir
  21. Solicito a gentileza das pessoas nos apoiar e enviar e.mail"s para a Secretária de Cultura do Estado solicitando a imediata restauração,tendo em vista que o imóvel encontra-se em péssimo estado de conservação e,também solicitei no ofício que enviei que,depois da respectiva restauração,no local seja implantado um Centro Cultural Popular,com participações das escolas públicas.Muito Obrigado.

    ResponderExcluir
  22. A casa está aberta para visitação? Dias e horários?

    ResponderExcluir
  23. A casa está aberta para visitação? Dias e horários?

    ResponderExcluir
  24. Prezada Srta. Valeria,
    Por enquanto,a Casa do Capão do Bispo está fechada a visitação pública devido ao seu precário estado de conservação.Um grande abraço
    rubensquintellatucker@yahoo.com.br

    ResponderExcluir